Ir à praia é tudo de bom! Mas com cuidados...

Oi pais devem redobrar a atenção com a pele dos pequenos na praia

A primavera já começa a dar pistas de que o verão será intenso, com praias cheias no litoral brasileiro. No entanto, é preciso evitar alguns riscos que um bom dia de praia pode ocasionar: o contato com areia suja e a exposição excessiva ao sol devem ser evitados - principalmente pelas crianças. A dermatologista Dra. Paula Chicaralla explica por que, em entrevista exclusiva para o Blog da STRAND:

STRAND: Quais os principais riscos para a pele do contato com a areia de praia suja?

DRA. PAULA: A contração de doenças de pele como as micoses, bicho geográfico e bicho do pé.

STRAND: A pitiríase versicolor, chamada de "pano branco", pode ou não ser contraída na praia?

DRA. PAULA: Ao contrário do que muitas pessoas acreditam, a pitiríase versicolor não é transmitida na praia. Ela é uma micose superficial da pele, causada por fungos do gênero Malassezia - que são leveduras que habitam o folículo piloso sem causar doença.  Quando existem condições favoráveis para o crescimento do fungo, ele consegue invadir a pele e causar as lesões características. Os fatores externos que facilitam a infecção são o calor e a umidade.

Existem também fatores do hospedeiro que a favorecem: a desnutrição, a sudorese excessiva, o uso de anticoncepcionais, de corticoides e/ou de imunossupressores. Está presente no mundo todo e atinge todas as faixas etárias, sendo mais frequente em adolescentes e adultos jovens, pois estes têm maior atividade da glândula sebácea.

STRAND: Que cuidados os pais devem ter com a pele dos pequenos na ida à praia? 

DRA. PAULA: A pele das crianças e dos bebês é mais fina que a dos adultos, e, portanto, está mais propensa aos malefícios dos raios UV. Além disso, sua pigmentação não está completamente desenvolvida, o que a deixa ainda mais desprotegida. Por isso, o cuidado com os pequenos deve ser redobrado: é indicada aplicação do filtro solar a cada 2 horas, de forma generosa, associada a protetores físicos, como roupas com filtro solar e guarda-sol. 

Estudos indicam que cerca de 80% de todo o sol que um adulto toma na vida ocorre até os 18 anos de idade, o que faz essa proteção ainda mais importante durante a infância.

STRAND: Tomar sol é importante para a pele? Por quê?

DRA. PAULA: É fundamental. A exposição da pele à luz do sol ajuda a fortalecer o sistema imunológico, e auxilia no tratamento de doenças de pele como vitiligo, psoríase e dermatites. Também tem papel importante no combate a doenças psíquicas, como depressão e mal de Alzheimer.

A luminosidade do sol faz com que o cérebro reduza a produção da melatonina, substância que causa relaxamento e sonolência, e que pode levar a quadros de depressão quando produzida em excesso. Em contrapartida, aumenta a produção de serotonina, substância relacionada ao bom humor, aumentando a sensação de bem-estar e a eficiência do sono durante a noite

Depois das dicas da Dra. Paula Chicralla (foto), é só levar as cadeiras e o guarda-sol na Strand Bag e curtir a praia! :)

Dra. Paula Chicaralla, dermatologista

Deixe um comentário

Os comentários devem ser aprovados antes de serem publicados